segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Sou Negro, sou humano


Sabe porque você prefere me chamar assim
De neguim, morenim, coisa assim
Ou preto, malandro xi é ladrão
Suspeito de tudo e por todos
E ainda diz que não me exclui tipo assim
Nega trabalho, emprego, estudo
Nega meu nome me chamando de vulgo
Me arrasta do carro com a capota aberta
Diz que confundiu, caractere que a vítima nem nunca viu
Mas tava assim,
Aqui na periferia é sempre assim
Já se nasce culpado se no documento vem com a cor, pardo
Esteja de chinelo, camiseta de tênis ou calça jeans
Vai ser sempre assim...
Mão pra cabeça neguim ...
Isso quando ainda é dia
A noite aqui é diferente
Sai correndo e por que minha bala não é de festim
E sempre vão diz... resistiu a minha voz
E ainda veio para cima de mim
Tentativa de me exterminar
Quando isso vai parar ??
Talvez nunca, assim com nunca vou me entregar
Vou viver, vou lutar me esmerar estudar
Mesmo que ações afirmativas vão dizer que é esmola
Quero é mais, muito mais mesmo assim não vai pagar
O que já fiz por você, com trabalho, suor, dor e muitas lágrimas
Em navios de terror, nas fazendas do teu avô
Mesmo indiretamente você se beneficiou
Enriqueceu até outro de mim comprou
Mas nunca reclamou ou se julgou inferior
Por usar e abusar do esforço que por ti cansei de dar
É mais é assim .....
Não sou neguim .. sou ser negro humano
E por favor me chame agora de doutor
Ou se preferir Vossa Excelência Joaquim

Elieser Santos 16/10/14